quinta-feira, 3 de julho de 2008

Invadindo Domicílios

Você pode me dizer tudo; Não tenha medo.
Eu não sou mau.
Não vou roubar seus filhos, sua casa ou seu dinheiro;
Me diga:
Como você tem gasto seu dinheiro?
Cigarros, mulheres, bebidas?
O governo não gosta disso (ou talvez só finja que não);
Mas não vamos te punir;
Você tem pagado o dízimo
Naquela igreja que você nem sabe se acredita?
É que eu preciso saber sua religião, idade, peso
E se você se acha preto ou branco;
Não se esqueça, você deve me contar tudo.
As contas pagas, não pagas, lícitas ou ilícitas,
Seu imposto de renda, o trabalho que te mata;
Eu vou entrar tão sutilmente na sua vida
E desaparecer tão súbito quanto surgi,
E ainda assim você deve confiar em mim.
Se você não me disser, isso é crime,
Mas eu não preciso te dizer isso, não é mesmo.
Somos do governo federal.
É tudo para seu próprio bem.
Não se preocupe, nós nos preocupamos por você.
Conte-me os seus segredos.

2 comentários:

Patrícia disse...

muuuito bom rô!
manter relações nas quais nenhum dos envolvidos diretamente está interessado deve ser estranho. o interessado é todo mundo e ao mesmo tempo ninguém!

Cacau disse...

olá...
sou brasileira e atualmente estou fazendo seminario, e um dos meus professores pediu que pesquizassemos sobre a russia, gostaria de saber qual site eu posso encontrar mais informaçoes, fotos e imagens e textos que falam sobre toda a historia da russia, crenças, costumes, tipos de moradias, situaçao financeira, etc...
meu e-mail é claudiaasmelo@yahoo.com.br, estarei esperando uma resposta. obrigada
atenciosamente,

Claudia A. S. M. Sobral