terça-feira, 26 de maio de 2009

Anseio por um tempo
Aquele tempo que tudo resolve
O tempo do Deus Sol
Que irradia exuberância
Que queima a pele e faz arder a alma
Um tempo onipotente e onipresente
O tempo da abonância
Mas as nuvens insistem em aparecer
E o sol a desaparecer
O céu escurece, as nuvens se enchem de água
Que cai como lágrimas de olhos cansados
De ansear
Por esse tempo
Que tudo resolve, mas nada dissolve
Autoria própria.

5 comentários:

lesly disse...

Mariana!!!!!
A mais nova poeta capixaba. rsrsrsrs!
Muito bom!!!

Natali disse...

Poxa, que anseio belo! Não sabia dessa tua veia poética...

"esse tempo / Que tudo resolve, mas nada dissolve"

E melancólico também!

Gostei Mari, poesia é sempre um ótimo caminho.

Rodrigo disse...

Belíssimo!!

Desejar sempre tem algo de triste mesmo...

Mari disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mari disse...

obrigada..isso tudo graças a vcs q tiveram essa ótima idéia de criar um blog. O que aguçou o meu interesse em escrever...